Passeio rápido e barato para casal: caminhada pela Estrada Velha de Santos

Esse é um passeio meio histórico meio natureza. A estrada velha de Santos (também chamada de Caminho do Mar) conta parte da história do Brasil Império.

Um lugar de muita riqueza da mata atlântica, cachoeiras e construções históricas, o caminho do mar é um ótimo passeio para quem gosta de caminhada e natureza.

Atualmente o local é fechado e só pode ser visitado com horário agendado e pagando uma taxa pela conservação do local por pessoa. O passeio é feito à pé com guias e no seu ritmo. São duas etapas. Uma que chega até metade do caminho até uma das antigas paradas de carros e a outra que desce até a cidade de Cubatão, próximo da refinaria. Depois disso o grupo deve solicitar um transporte que leve até à portaria da entrada em São Bernardo do Campo/SP.

Para comprar os ingressos, acesse o site:

https://www.parqueestadualserradomar.sp.gov.br/pesm/nucleos/caminhos-do-mar/contato/?filter=agendar

A região é protegida uma densa floresta e fauna (mas parte ela está em extinção). Além de riqueza natural, o trajeto tem importância histórica porque Dom Pedro I passou por um trecho desse caminho quando se dirigia a São Paulo, antes de proclamar a Independência do Brasil, em 1822.

Nesse dia estava chovendo e bem úmido. Não conseguimos visualizar muito a praia e a paisagem no horizonte, mas ainda assim o passeio foi encantador. Você verá nas fotos.

Prepare-se para essa caminhada. O trajeto completo tem duração de 4 a 5 horas, é de intensidade moderada na descida e intenso na subida. A intensidade está relacionada à inclinação da estrada. Mas, o que é bacana é que você faz no seu ritmo. Toda a estrada é asfaltada e tem muros e cabos de aço para apoio.

Leve repelente por precaução. Não precisamos no dia, mas sabemos que áreas de mata possuem muitos insetos e os borrachudos. Dentro do parque não tem nenhum estabelecimento que venda água ou alimentos. Portanto, leve sua garrafa e um pequeno lanche para fazer nas paradas. Tem dois pontos de bebedouros durante o trajeto que você pode abastecer sua garrafa.

Existem cachoeiras pelo caminho, mas não é permitido entrar na água e nem utilizar trajes de banho. Também não pode levar animais de estimação ou qualquer outro objeto esportivo como bicicleta, patinetes etc.

Também vale reforçar que o visitante não pode tirar nada do lugar e deve ajudar a manter a preservação dos locais e da natureza ao redor.

Ponto de encontro com os guias

Primeira parada

As paradas são incríveis e foram tombadas pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) do Estado de São Paulo.

A primeira parada é a Casa de Visitas do Alto da Serra. Foi construída em 1926 para servir como hospedaria para aqueles que vinham visitar a Usina Hidrelétrica Henry Borden.

Nessa casa, envolvida por uma natureza exuberante, é possível verificarmos fotos antigas dos trabalhadores e gestores que construíram a usina e que serviram de referência para outros países pela complexidade do projeto. Os dutos que puxam a água da represa (parte de cima) para as turbinas (que ficam na parte debaixo) tem uma inclinação de 60 a 45 graus, o que eleva a pressão de 11.000 litros por segundo. Era um desafio controlar a pressão e o desgaste dos componentes das turbinas, já que não existia tecnologia como hoje.

Casa das visitas
Natureza ao redor da Casa das Visitas

Segunda parada

A segunda parada é o Ponto Paranapiacaba (que significa local onde se vê o mar). Lá tem uma construção de 1922 e que servia como parada para carros durante a viagem para a Baixada Santista.

Na fachada foram colocados azulejos que mostram um mapa rodoviário de 1923. A arquitetura e a paisagem são excepcionais. Nesse local podemos ver a Baía de Santos através de uma janela dessa casa, mas no dia não conseguimos visualizar devido à neblina. Vale a pena fazer muitas fotos aqui, principalmente em um dia de sol (que são raros durante o ano).

Nessa área tem a Curva do Mirante, também conhecida como Curva do Uau porque essa era a reação dos visitantes que chegavam nesse ponto rsssss. Então, já imagine como é esse local.

Ponto Paranapiacaba
Mata ao redor do Ponto Paranapiacaba
Azulejo com o Mapa do Estado de São Paulo e a vista de uma das janelas
O interior da construção atual do Ponto Paranapiacaba

Terceira parada

A terceira parada é o Belvedere Circular, um local que marca o primeiro cruzamento da Calçada do Lorena com a Estrada Velha. É o trajeto mais aventureiro do passeio. A calçada do Lorena é um caminho histórico e que foi utilizado pelo D. Pedro I antes de seguir viagem para dar o Grito do Ipiranga. Ocorreu uma restauração em 1992, mas o trecho original ainda está preservado. Muita atenção quando andar pelo local porque os musgos encobriram as pedras e fica muito escorregadio. Nossa guia conta uma história divertida sobre a calçada do Lorena. Fofoqueiros de plantão contam que, quando D. Pedro I chegou em Cubatão, teve um desconforto abdominal e foi medicado por uma curandeira da cidade. Quando se curou, seguiu viagem. Ou seja, quase não foi declarado o Grito da Independência por essa situação atípica com D. Pedro I kkkkkkkk.

Os grandes dutos de água que alimentam as turbinas da usina

Quarta parada

Chegamos ao Rancho da Maioridade. Essa instalação servia como ponto de apoio para os carros da estrada. Muitos carros quebravam nessa região e precisavam de conserto. É aqui que também paramos para fazer nosso lanche e recuperar um pouco o fôlego do primeiro trajeto. Nesse ponto também se separam os grupos: os que irão retornar para a entrada de São Bernardo do Campo e os que irão descer até Cubatão.

Até aqui são 5 km de descida e depois mais 5 km de subida para retornar.

Conseguimos ver uma pequena parte da usina hidrelétrica de Cubatão entre a neblina, mas não vimos o mar. O passeio foi incrível e nos surpreendeu muito.

Se você puder, faça o passeio também e tire muitas fotos para recordar.

Rancho da Maioridade
Escadaria do Rancho da Maioridade
Vista lateral do Rancho da Maioridade

Também disponibilizamos duas fotos aéreas e dois vídeos que mostram mais detalhes desse caminho para o mar.

Fotos originais do site G1
Fotos originais do site G1

Vale ou não vale a pena conhecer? Comenta no post e indica lugares incríveis para eu conhecer também!

Publicado por manualdohomemapaixonado

Sou um homem muito apaixonado pela minha mulher e faço questão de retribuir diariamente ❣️ Sei que não é fácil para um homem ter criatividade ou ser romântico, mas não é impossível. Quando me apaixonei de verdade, essas atitudes ligadas ao amor surgiram naturalmente e agora quero compartilhar com você. 📨 Minha missão é ajudar a fortalecer os relacionamentos, resgatar a confiança no amor e na gentileza e te auxiliar em ideias criativas para colocar tudo isso em prática!👩‍❤️‍👨

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: